Feeds:
Posts
Comentários

Archive for fevereiro \28\-05:00 2010

Sunday Night

Depois de um final de semana tranquilinho sendo a primeira hóspede na casa nova de um casal queridíssimo, comendo comidinhas feitas por eles com todo capricho, bebericando vinho, aproveitando para ir visitar juntos a nenenzinha de 1 mês de vida de uma amiga em comum, cá estou eu de volta em casa e jogada na cama com Filomena do meu lado e Hugo no meu pé.  Só faltava o Marido que eu mal posso esperar voltar de viagem!

O friozinho domingo de lua cheia está charmoso demais e a cerimônia de encerramento das olimpíadas de inverno na televisão completa o clima do final de semana.  Por falar em olimpíada de inverno, passou alguma coisa na mídia brasileira?  Eu acompanhei as olimpíadas ao máximo que pude e me apaixonei por cada apresentação de patinação no gelo, torci por cada competidor na categoria Super G de esqui, me assustei com a altura que os snowboarders voavam, achei impressionante a velocidade que os patinadores alcançaram na corrida no gelo…  Achei o maior barato, sem contar com o fato de estar ouvindo o francês do Canadá a cada instante!  Vou terminar de assistir a cerimônia =)

Um bom domingo para você também!

Ex corde.

Read Full Post »

Follow me

O videoclip é meio cafona, mas a música é uma delicinha. 

Tenho ouvido todos os dias!!

 

Ex corde.

Read Full Post »

Cinnamon Rolls

Mini rolinhos de canela

É como se fosse um bolo.  Não, não é.  É mais parecido com pão, mas com uma massa meio folhada.  Mas ele é arrumadinho em camadas, como se fosse enrolado como um rocambole.  Mas não é rocambole.  Entre as camadas tem canela e uma calda (?) branca que é açucar purinho, mas é o que deixa o rolinho de canela irresistível.  Bom, eu não sei explicar exatamente o que é, mas sei que é gostoso e é mais gostoso ainda quentinho.

No departamento comida, os rolinhos de canela são uma daquelas coisas tipicamente americanas.  Você encontra para vender em quase todos os lugares e praticamente todo mundo gosta.  Quando está saindo do forno, o rolinho de canela tem um cheiro perturbador!  É uma delícia e quase tem o poder de fazer o seu corpo levitar seguindo a fumacinha cheirosa tipo nos desenhos animados, sabe? 

Mas tem só um problema: engorda horrores!  Um deles no tamanho normal tem mais de 500 calorias, ui!  Se você estiver passeando pelos Estados Unidos, experimente unzinho para ter o gostinho de algo bem gringo.  Mas tente se controlar e parar por aí, porque senão você vai levar para casa uns quilinhos extras como souvenir!

Alguém aí já provou?

Ex corde.

Read Full Post »

O moço e a promessa

Eu estava no caixa da farmácia atendendo um cliente quando percebi a farmacêutica ao telefone dizendo:

“-  Mas senhor, você já olhou dentro da sac….  Senhor, por favor ouça o que eu tenho para falar.”

Eu logo percebi que se tratava de mais um cliente descontando seus problemas pessoais em cima de quem não tem nada haver com eles.  A farmacêutica desligou o telefone numa mistura de irritação e surpresa.  O moço estava gritando com ela mandando ela dar o jeito dela e encontrar a carteira do seguro de saúde dele.  Mas o que aconteceu?, eu perguntei da farmacêutica.

A técnica que o atendeu pegou a carteira para digitar as informações no computador na hora em que ele deixou a receita médica.  Ele sentou na área de espera e na passagem ainda me comprimentou educadamente.  Uns 15 minutos depois, a mesma técnica que o ajudou no início estava escaneando o remédio no caixa, lado a lado comigo.  Ela entregou a carteirinha de seguro de volta para o moço, ele guardou na carteira mais ou menos na mesma hora que pegou o cartão de crédito para pagar.  Tudo certo e o moço foi embora me cumprimentando com um sorriso e desejando boa noite.  Ele chegou em casa,  não encontrou a sua carteirinha do seguro e pegou o telefone para dizer que a técnica não tinha devolvido para ele.  O moço estava tão irritado que nem deixou a farmacêutica explicar que às vezes a técnica anexa a carteira na parte da frente da prescrição médica.  Enquanto ela contava a história, eu estava catando até dentro do cesto do lixo para ver se não tinha caído acidentalmente lá.

Não muito depois, o moço volta para a farmácia gritando como um homem das cavernas!  Todos os outros clientes estavam olhando e ele continuava gritando descontroladamente dizendo que queria entrar em contato com o supervisor geral da farmácia.  Senti vergonha por ele, sabe?  A farmacêutica imediatamente chamou o gerente que veio tentar conversar com ele.  Mas o moço ainda assim continuava sendo mal educado e não deixando ninguém falar nada.

“-  Senhor, eu entendo a sua frustração, mas eu preciso primeiro checar as câmeras de segurança para ver o que realmente aconteceu.” , o gerente tentava explicar o procedimento padrão da empresa.

Mas o moço insistia em dizer que nós todos estávamos insultando a sua inteligência ao afirmar ou mesmo cogitar a possibilidade de que a carteirinha tinho sido devolvida.  Ele berrava que AQUELA técnica tinha sido irresponsável e tinha perdido a carteira dele.  Nossa, a coitadinha da técnica não conseguia dizer uma palavra de tão nervosa e nem conseguia fazer mais nada.  Eu continuava ajudando os outros clientes e a farmacêutica continuava verificando algumas prescrições médicas.  O moço continuava ali reclamando até que o gerente ligou para a farmácia para nos acalmar.  Ele estava voltando para resolver a situação.

Nisso o moço se levanta impaciente, chega perto do balcão e aponta o dedo na cara da técnica dizendo que ele vai fazer com que ela seja despedida do emprego dela.  Não satisfeito com a ameaça, ele vai até a farmacêutica, aponta o dedo na cara dela e diz que vai garantir que a técnica perca o emprego dela.  A farmacêutica não aguentou e abriu a boca:

“-  Não fale besteira, moço!  Eu entendo que o senhor está com dor e tem seus problemas, mas por favor não venha descontar em cima de gente honesta que está trabalhando corretamente e tentando ajudar pessoas como você!”

O moço não gostou e passou a gritar mais alto ainda dizendo para ela parar de usar psicologia com ele que isso não funcionava.  Que tudo isso era um absurdo e que como assim a técnica tinha perdido a carteira de seguro dele?  Mal ele fechou a boca e o gerente estava de volta.

“-  Senhor, eu não quero causar mais nenhum incômodo e nem quero piorar a situação.  Mas o senhor já olhou dentro da sua carteira? “

O moço esperneou dizendo que a técnica não tinha devolvido nada para ele.

“-  Senhor, eu vi claramente, pelas câmeras, a técnica devolver a sua carteirinha de seguro.  O senhor colocou dentro da sua carteira.  O senhor poderia verificar, por favor?”

Nessa hora, eu estava atendendo uma funcionária que me perguntava o que estava acontecendo.  E eu só sabia dizer, peraí, peraí, porque não queria perder uma vírgula!  Ha! 

A cara do moço quando abriu a carteira e viu a carteirinha foi a melhor!  A expressão dele mudou, o tom de voz se acalmou e ele se levantou em direção a farmacêutica dizendo:

“-  Eu devo um milhão de desculpas.  Por favor, aceite as minhas desculpas!”

“- Senhor, eu não sei se eu aceito as suas desculpas,” a farmacêutica disse.

Ai caramba, quando eu achei que a situação já tinha chegado ao máximo, a farmacêutica me surpreendeu!!  Ela continuou com a voz firme:

“-  Eu não sei se eu aceito as suas deculpas, senhor, sinceramente não sei.  O senhor não me permitiu nem ao menos falar, nem ao menos tentar ajudar ao senhor mesmo.  O senhor foi grosso, mal educado e desrespeitoso ao telefone comigo.  O senhor chegou aqui e desrespeitou a minha técnica.”

“-  Mas minha mãe está doente, eu fiquei muito nervoso…” e o moço tentava buscar justificativas.   E a farmacêutica continuou:

“-  Eu entendo, mas nada justifica.”

“-  Por favor aceite minhas desculpas”, ele repetia.

“-  Eu só aceito as suas desculpas caso o senhor me prometa uma coisa.  O senhor promete?”, e na altura do campeonato eu já estava quase morrendo para saber até onde aquela conversa iria chegar.

“-  Sim, eu prometo!”

“-  O senhor deve me prometer que nunca mais na vida vai tratar ninguém assim novamente.  NINGUÉM.  O senhor deve me prometer que sempre vai dar o benefício da dúvida para os outros, principalmente quando o senhor achar que tem completa razão.  O senhor promete que sempre vai lembrar disso? “

O moço disse que sim, pediu mais desculpas e saiu de cabeça baixa.   

(…)

Além das lições de farmacologia, o meu trabalho ainda tem me dado lições para eu usar na vida. 

 

Ex corde.

Read Full Post »

Older Posts »