Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Dirigindo’ Category

E como dizem que uma imagem vale mais que mil palavras, aí vai:

Verao no Texas_Ex corde

113o Fahrenheit são nada mais nada menos que 45o Celcius.  Quarenta e cinco!  Esses dois números conseguem dar uma resumida em como os dias tem sido por aqui – insuportavelmente quentes!  Qualquer atividade ao ar livre precisa acontecer bem cedo no dia antes do sol esquentar ou depois das nove da noite quando o sol vai embora, o que no último caso não necessariamente significa que o clima fica mais ameno.  Outro dia fomos a um churrasco na casa de uns amigos e ao chegar percebi que todos estavam dentro de casa no ar condicionado central ligado, com as persianas e cortinas fechadas além das luzes apagadas.  Achei aquela escuridão estranhíssima, mas percebi ao longo do dia que era a única maneira de tentar controlar o calor.  Ninguém conseguia passar muito tempo na varanda.  Para existir alguma diversão ao estar lá fora é quase imprescindível ter o envolvimento de água, seja praia, piscina, rio, lagoa ou até uma mangueira.  O negócio não é mole nessa época do ano. 

Para muitos americanos o verão tradicionalmente começa no fim do mês de maio com o feriado nacional do Memorial Day.  Desta vez, conseguimos nos planejar para passar esses dias a mais de folga do trabalho na praia.  Alugamos um apartamento todo equipado na beira da praia junto com um casal amigo, estocamos a mala do carro com comida e pegamos a estrada rumo a South Padre Island.  O ponto azul abaixo no mapa é a gente quase chegando lá.

Mapa do caminho de SPI_Ex corde

South Padre Island é uma ilha estreita e comprida localizada na costa texana do Golfo do México no extremo sul do estado.  Como se vê, é muito perto da fronteira com o México.  Passamos por barreiras de fiscalização da polícia de imigração e tudo!  É tão perto que, quando eu brincava com um aplicativo no celular, o GPS se confundiu ao definir a nossa localização:

Weather in SPI_Ex corde

E não, não estávamos no México!

Como a melhor maneira de aproveitar um pouco do verão do Texas é em contato com a água, nós fizemos a escolha mais acertada para aquele fim de semana prolongado.  A ilha é bem pequena e achei super amigável tanto para famílias com crianças como para adultos a fim de se divertir!  Quero voltar! 

South Padre Island_Ex corde

Posso não ser muito fã do calor do verão, mas não posso negar as delícias que só ele traz: abundância de frutas vermelhas!  São as amoras, cerejas, blueberries e morangos mais fresquinhas, mais docinhas e mais baratinhas ever

Morango_Ex corde

E por falar nisso, quase tinha esquecido que um pouco antes do verão começar nós fomos ao Festival do Morango numa cidadezinha texana chamada Poteet. 

Poteet Festival_Ex corde

Foi bem legal ver aquela multidão provando as variadas comidas, assistindo ao rodeio, ouvindo bandas tocarem ao vivo e se divertindo, mas era tudo ao ar livre… o calor já estava absurdo e, sinceramente, não sei se volto nos próximos anos porque o passeio acabou meio sofrido, sabe como é?

Poteet_Ex corde

Aquela coisa que foi boa, mas ruim?  Sabe?

Poteet Strawberry Festival_Ex corde

1. Vinho de morango e uva  2. Cupcake de morango  3. Nachos de morango feitos com buñuelos mexicanos, geléia de morango, sorvete, calda de chocolate e nozes –> de comer de joelhos :)

E nesse verão, eu descobri na pele (pun intended!) que essa é uma estação do ano incompatível com o estado gravídico em que eu me encontro.  Já estava cansada das caras de pena direcionadas a mim quando outras mulheres descobriam que eu ia passar o terceiro trimestre da gravidez no pico do verão.  Me diziam que eu ia sofrer, mas sinceramente não tinha idéia do sofrimento.  No meu caso posso afirmar que foi por causa de uma dermatose da gravidez (PUPP) que se manifestou pela primeira vez num desses dias de 45 graus.  Para ter uma idéia do que se trata, imagine uma alergia de pele localizada no corpo todo com placas de milhares de bolinhas elevadas, inflamadas, edemaciadas e em carne viva acompanhadas por uma queimação tão intensa que me acordava no meio da noite.  Pois é, debilitante porque nem roupa eu conseguia vestir.  Passei uma semana inteira tentando administrar o ardor sem enlouquecer apenas com medidas paliativas, já que a medicação (esteróides) que dá jeito nisso mesmo não é recomendada na gravidez (a não ser mediante uma análise do custo-benefício).  Minha salvação: bolinhas homeopáticas de enxofre. 

Homeopatia Enxofre_Ex corde

Já tinha comprado na loja natureba da esquina de casa, mas não queria começar sem o aval do médico.  Mas enquanto esperava a resposta do homeopata lá no Brasil, eu tive uma crise.  Acordei chorando.  Queimação.  Desespero.  Dor.  Coceira.  Quase pânico.  Marido se atrasou para ir trabalhar colocando gelo no meu corpo enquanto eu me contorcia.  No intervalo de alguns poucos segundos de alívio que eu tinha, tomei a primeira dose de homeopatia literalmente chorando.  Exausta por ter passado a madrugada acordando com o ardor, consegui dormir com bolsas de gelo em contato direto com a pele.  Acordei horas depois e tomei a segunda dose.  Continuei imóvel na cama coberta de gelo e calamina, as minhas duas únicas fontes de alívio temporário.  Tirei mais um cochilo e, para a minha surpresa, acordei me sentindo infinitamente melhor.  Ainda tinha bastante coceira, mas era algo completamente administrável.  Consegui até levantar da cama e vestir uma roupa frouxinha, veja só que maravilha para apenas duas doses!  Tomei por mais três dias e o aspecto da pele era outro!  Placebo ou não, a homeopatia vai continuar tendo o meu respeito ❤.     

Arsenal de Hidratacao_Ex corde

Hoje tenho ‘apenas’ marcas que as placas inflamadas deixaram.  Outro dia a pele descascou.  Estou tentando mantê-la hidratada alternando com vários produtos (aí acima) e ando trancada no ar-condicionado com muito medo de ter outro ataque exarcebado pelo calor.  Até parei de ir na hidroginástica porque a piscina é ao ar livre e… eu já disse que tenho medo de ter outro ataque?

É, esse verão no Texas até agora tem sido diferente dos outros! Oremos, haha!

Ex corde.

Read Full Post »

Troca de placas

Três meses e quatro dias depois, eu finalmente aceitei trocar a placa do meu carro.  Para desespero do meu querido marido, eu já vinha rodando com a placa do outro estado vencida consciente que poderia levar uma multa.  Concordo com ele que a minha birra era extremamente irracional, mas eu não estava preparada internamente para oficializar essa mudança.  

Mas curiosamente hoje eu troquei as placas como quem coloca o lixo para fora, sabe, como se fosse mais uma tarefa doméstica diária a ser feita.  Não precisei de um ritual de preparação psicológica para realizar a tal simbólica troca.  Quanto avanço no estado emocional dessa pessoa que vos escreve!

Eu às vezes me surpreendo comigo mesma em como sou cheia de simbolismos.  Parei para pensar sobre isso quando terminei de parafusar a placa do Texas no carro e me vi com a placa antiga nas mãos.  Aquela não era só mais uma placa vencida empoeirada – ela carregava poeira de várias caminhos que eu literalmente andei e …  Caraca, me vi assustadoramente apegada a uma placa de carro!  É isso mesmo?  E Freud explica?!?

Respirei fundo e olhei para as outras placas de carro antigas que Marido orgulhosamente tem penduradas nas paredes da garagem.  Vi placas da Bélgica, Itália e mais outras placas antigas européias que nem sei de onde são (antes da UE) que contam um pouco da história por onde ele já viveu.  Quer saber, deixa eu arrumar logo um cantinho para essa placa velha porque, afinal de contas, eu também faço parte desse mural de historinhas!

Ex corde.

Read Full Post »

Fort Walton Beach, Florida

1445

Quando se fala em Flórida, a primeira coisa que vem à cabeça é Miami ou os parques da Disney em Orlando.  Mas existe muito mais do que só isso.  Eu descobri uma pontinha da Flórida que fica no Golfo do México depois de passar dois meses no verão calorento do Alabama há uns três anos. E me encantei.  É justamente nesse pontinho vermelho no mapa ao lado que existe uma Flórida bem diferente de Miami e que me agrada muito.  Mais tranquila, menor, menos turística, mas não menos bonita.  E é para lá que vou!

Marido não está a passeio.  Ele sequer foi a praia nesse tempo todo, pois não tem tempo sobrando.  Ele está trabalhando.  Chega a ser até maldade estar tão perto da praia e não poder curtir.  Mas é o que é.

Eu ia fazer a viagem dirigindo para economizar um trocado e cheguei até a escrever sobre as 13 horas no volante cruzando os estados de Lousiana, Mississipi e Alabama até chegar no panhandle da Flórida.  Tinha colocado até um mapa do trajeto que tinha deletado, mas no final das contas acabei deixando aqui para vocês verem a saga.         

Road Trip_Excorde

Acontece que durante a preparação do trajeto, eu liguei para os meus pais para dividir um pouco das minhas inseguranças.  Bateu uma preocupação de me aventurar sozinha na estrada por tanto tempo.  Eu tenho o péssimo hábito de sempre esperar pelo pior e eu estava com umas catástrofes mirabolantes grudadas na minha cabeça igual chiclete.  Então procurei colo de pai & mãe, sabe?  Procurei consolo, encorajamento e suporte para continuar com o plano em ação.

Algumas horas (!) depois de conversa que valeram mais que mil sessões de terapia, lá estava eu animada novamente e com a certeza de que 13 horas na estrada iam ser fichinha!  Assim, continuei com a programação do dia que incluia um jantarzinho num restaurante mexicano interessantíssimo com duas novas possíveis candidatas a amigas.  Mas quando eu estava a caminho da casa de uma delas, eu recebi um email bombástico através do meu celular. 

Eu tentava dirigir e ler o email ao mesmo tempo.  Que perigo!  Mas com um título “Presente de Aniversário”, quem conseguiria aguentar chegar no destino?  E quando vi que o email tinha um anexo que não estava abrindo, fiquei mais ansiosa ainda.  O coração acelerou, o trânsito engarrafou e o anexo não abria.  Não aguentei e liguei para meus pais!  Meu pai atendeu implicando comigo insistindo em me mandar para a frente do computador para abrir o anexo e eu quase morrendo de agonia sem conseguir abri-lo e sem conseguir explicar que eu estava dirigindo! Ai.

Resumo da ópera: eu ganhei a passagem de avião dos meus pais para ir até Fort Walton Beach, na Flórida.  Imagina que eles trouxeram um conforto tão grande que eu demorei para acreditar!  Não vou precisar dirigir tanto tempo!  A passagem em si foi demais, mas a gentileza e o carinho do gesto valeram muito mais para mim.  Obrigada pelo super presente, pai & mãe! 

Hugo e a mala_Ex corde

* Filomena não está contente com a minha ida e por isso faz questão de não ficar por perto!

E neste exato momento, estou de saída para o aeroporto com a mala quase estourando de presentes para o Marido.  Apesar do aniversário dele ter sido há uma semana, ainda tá valendo, não tá?

Ex corde.

Read Full Post »

san-antonio-texas-cartoon-map-kevin-middleton

Aprender a se localizar em San Antonio é bem fácil.  É preciso entender, antes de qualquer coisa, que há dois principais anéis rodoviários que dão a volta (dã!) em San Antonio.  O anel menor chamado de Loop 410 e o anel maior, Loop 1604.  Existem ainda três outras grandes rodovias que cortam esses dois anéis – uma de norte a sul, uma no leste e outra no oeste.  Isso sem falar nas várias outras ruas transversais que são menores, mas bem eficientes.  Dá para perceber, sem muito raciocínio, que tudo acaba se conectando mais cedo ou mais tarde.

ar123643506751196

Não é muito difícil memorizar que o centro da cidade fica dentro do Loop 410, que o aeroporto fica entre os dois anéis, que a rodovia 281 vai de norte a sul e facilmente conecta os dois anéis.  Se for preciso ir para o lado oeste da cidade, rodovia I-10.  Se eu quiser ir para o lado leste, rodovia I-35.  Com esse conhecimento básico é possível chegar em qualquer lugar sem nem precisar usar o GPS.  Fácil.

3746692984_f037912d16

Outra coisa que tenho achado fantástico por aqui é que as rodovias tem um sistema de vias auxiliares e uns retorninhos que eles chama de turnaround.  Ou seja, você pode entrar ou sair da highway praticamente a qualquer momento e ainda pode mudar de direção facilmente sem ter que parar no sinal ou em uma placa de Stop.  Perdeu a sua saída?  Há alguns metros tem uma outra saída com um retorno logo ali na frente para voltar para a rodovia.  Ou pode ter acesso às lojas nas ruas paralelas.  Ou pode simplesmente pegar uma transversal e atravessar a cidade.  É possível ver o esqueminha abaixo frequentemente.     

600px-Texas_turnaround_svg

Ao mesmo tempo que tenho achado tudo isso super inteligente, eu preciso dizer o quanto achei confuso no início.  São muitas ruas que cortam, muitas faixas diferentes do usual, muitas manobras inesperadas.  Ainda rola uma tensão quando dirijo, principalmente se estou indo em uma área que não estou familiarizada.  Já entrei na contra-mão algumas vezes e já levei inúmeras buzinadas por demorar a entender o que se passa a minha volta.  Haha!  

mediaManager

* Não parece confuso?

Com pouco mais de um mês na cidade, eu já estou aprendendo a usar as ruas tranversais que conectam os dois anéis e muitos atalhos.  É uma maravilha!  Estou aprendendo também onde o trânsito se agarrra no horário de pico.  Um exemplo de trânsito engarrafado é a rodovia 281.  Ela sai do centro de San Antonio cortando os dois anéis no sentido norte levando para onde os subúrbios mais novos estão localizados.  Deve ser uma norma universal: quanto mais longe do centro da cidade, mais barato é para morar e maiores as casas & os terrenos.  Em compensação, mais trânsito.  Tá rolando uma obra super grande para desafogar o trânsito dessa área.

mediaManager3 

mediaManager5

mediaManager4

* A estrela simbolizando o Texas está em todas!  Fotos tiradas do mySA.

Mas mesmo na pior hora do dia com centenas de carros nas ruas, o trânsito não pára completamente.  Muita gente local reclama horrores do trânsito em certos pontos da cidade, mas eu sinceramente não achei tudo aquilo que eles me falaram que era.  É mais devagar que o normal, com certeza.  Mas ainda assim não se compara em nada com o trânsito de onde eu vim:

8158703-road-traffic-congestion-near-washington-dc

* Trânsito na área de Washington DC (Source here)

Ex corde.

Read Full Post »

Mapa da Viagem

* Fonte: www.mapquest.com

A viagem foi longa: mais de dois mil e quinhentos quilômetros de distância.  A idéia inicial era aproveitar para passear, desviar um pouco da rota e conhecer novos lugares.  Só que infelizmente não deu!  Para evitar que a nossa mudança fosse armazenada em um depósito (o que aumenta o risco de ter coisas estragadas/perdidas/roubadas), decidimos fazer uma mudança door-to-door.  O caminhão sai carregado de uma casa e vai direto até a outra para entregar a mudança.  É uma maravilha, mas tivemos que lidar com a inconveniência de não poder aproveitar a viagem de carro pela estrada.  Não dá para ter tudo, não é?

Road Trip_Ex corde

Saímos de casa na noite de domingo para dormir na casa dos nossos amigos na Virginia, há uns 40 minutos ao sul de Washington DC.  Oficialmente a viagem já tinha começado!  Tomamos café da manhã juntos na segunda-feira e nos despedimos antes de pegar a estrada.  Ai, não consigo transformar despedidas em algo bacana.  Eu não gosto da idéia de ter guardado na memória a “última vez” que estive com um amigo querido – prefiro ter os momentos juntos todos embaralhados na minha cabeça pois nenhum deles está associado com a sensação dolorida que só uma despedida tem.  Eu estava tentando fazer de conta que estava somente indo bem ali e aquilo era só um até logo.  Mas a Jô caiu no choro e só de escrever sobre esse momento eu já tenho lágrimas nos olhos.  Cultivamos uma amizade sólida entre risadas, invernos congelantes, desafios na adaptação, maridos militares, frustrações, nossas carreiras profissionais e tantas outras coisas.  É duro partir!

Mas onde eu estava mesmo?  Ah, pegando a estrada na segunda de manhã.  O caminhão estava programado para entregar a mudança na quinta-feira e isso limitou bastante o nosso tempo de viagem.  E o primeiro dia acabou não rendendo muito já que tivemos que parar para pesar o carro.  Como o governo não paga pelo frete de veículos de militares transferidos, eles tentam compensar um pouco pagando por qualquer coisa que nós carregamos no carro.  É uma compensação $$$ pela parte da mudança que nós mesmos estamos fazendo.  Dizem que vale a pena já que além do peso do carro eles ainda pagam a gasolina, hotel, comida e afins.     

Cafe Starbucks para me manter acordada_Ex corde

*  Café durante todo o percurso para me manter bem acordada!

Passamos a primeira noite em Kingsport, uma cidade do Tennesse que fica na fronteira com o sul da Virginia.  A escolha das paradas não seguiu nenhum roteiro turísticos.  A gente calculava quantas horas a gente estava a fim de dirigir por dia e escolhíamos o hotel de acordo com um único critério: aceitar animais de estimação.  Contamos com a ajuda de um site muito útil que traça rotas de viagem de acordo com hotéis que são pet friendly!  Uma mão na roda!

Hugo e Filomena na Estrada_Ex corde

*  Acima, Hugo & Filomena em uma das paradas.  Abaixo, eles quietinhos no carro!

Gatos & Plantas_Ex corde

*  E eu mencionei que trouxe minhas plantas comigo?  Praticamente um pau de arara!

O sul da Virginia e o Tennesse têm paisagens bem parecidas: montanhas por todos os lados e tudo muito verde!

Montanhas Tennesse_Ex corde 
É bem bonito de se ver e gostoso de dirigir por causa dos muitos “sobe-e-desce” ao longo do caminho.  Não é nada monótono e as horas passam rapidinho.  Muito bom!

Montanhas Virginia_EX corde

A segunda parada foi em Memphis, no ponto mais extremo ao sudoeste do Tennesse.  A cidade respira Elvis Presley, pois é lá que se está localizada a sua residência oficial.  A casa dele hoje é uma atração turística – nós não entramos, mas passeamos por toda a área em volta.  É tudo super breguinha!  Achei a cidade inteira meio pobrezinha, meio desgastada, e até meio perigosa.  Na volta de Graceland para o hotel, o GPS nos levou por um caminho muito estranho com pessoas mal encaradas bem típico de filme americano onde gangues se aglomeram, sabe?  Ainda tivemos a chance de dar um pulinho na Beale Street, uma rua boêmia bem no miolo de Memphis que me lembrou Old Las Vegas.  Turistas se misturavam com locais enquanto bandas de música tocavam ao vivo no meio da rua.  Muitos policiais emolduravam os quatro cantos do quarteirão inteiro e eu consigo imaginar o por quê.   

Chegando em Memphis,TN_Ex corde

Saindo de Memphis na manhã seguinte, encontramos o Rio Mississipi delimitando a fronteira entre o Tennesse e o Arkansas.

Fronteira do Tennesse e Arkansas_Ex corde

Assim que cruzamos a fronteira, a paisagem mudou bruscamente.  O verde e as montanhas foram substituídos por enormes fazendas.  Até que as fazendas sumiram e quanto mais ao sul a gente chegava, mais marrom e cheio de terra tudo ficava. 

On the Road_Ex corde

Estrada no Arkansas_Ex corde

Arkansas_Ex corde

O que mais me chamou a atenção foi o termômetro do carro aumentando a temperatura gradualmente conforme mais ao sul do país a gente ia dirigindo.  Marido me ligou do outro carro para dizer que lá marcava 100 graus Farenheit (em torno de 39 C), o que é um número muito alto para os padrões da área de Washington DC.  Quanto mais eu dirigia, mais alto o termômetro marcava.  Eu passei as horas seguintes assistindo a temperatura subir até 109 F (uns 43C).  O ar condicionado do carro não dava conta e eu não conseguia parar de pensar quão mais quente que aquilo o Texas deveria ser!  Ui!

108 F_Ex corde

Cruzamos a fronteira do Arkansas com o Texas e mais uma vez o visual mudou!  Dessa vez tudo estava mais seco com cara de deserto mesmo.  A cidade Texarkana tinha viadutos decorados com o desenho do estado do Texas deixando estampado para quem quisesse ver o orgulho que existe por aqui.  É algo muito interessante! 

Texas_EX corde

O plano era passar a noite em Dallas para descansar bem e pegar a estrada até San Antonio ainda na madrugada.  Mas como a gente tinha saído cedo, como o dia tinha rendido bastante e como a gente já tinha tomado alguns Red Bulls, a decisão de seguir direto foi unânime.  Foram mais quatro horas e blau de estrada gastando os meus CD’s antigos.  A viagem passava mais rápido quando eu cantarolava as músicas e então fui de Kid Abelha, Nando Reis, Marisa Monte, passando por Bon Jovi, Jack Jonhson e até chegar no Djavan.  Mas tinha hora que dava no saco mesmo!  Faz diferença dirigir sozinho ou com uma companhia no carro.  Marido e eu passamos longas horas no telefone, ele no carro da frente e eu no carro de trás.  Sim, estávamos em carro separados!  Que saco!  E já no final da viagem, eu estava topando de tudo para fazer o tempo passar mais rápido. 

Almoco na estrada_Ex corde

*  Almoço na estrada para não perder tempo!

Continuamos dirigindo pela I-35 no sentido sul passando por grandes cidades como Waco e Austin.  A próxima grande cidade já era San Antonio.

Posto de gasolina no meio do nada, TX

* Parada do xixi em um posto no meio do nada no Texas.  O calor era demais!

San Antonio Sign_EX corde

Fomos entrando no perímetro urbano lá pelas oito e pouca da noite com o termômetro marcando acima de 100F e um pôr do sol m.a.r.a.v.i.l.h.o.s.o. 

Por do Sol em San Antonio_Ex corde

Senti como se a minha nova cidade me recebesse com um sorriso de orelha a orelha.  Fiquei tão tocada com esse gesto da natureza que o interpretei como um recado de Deus me dizendo que um ciclo muito bom está começando em minha vida.  Fiz minhas orações, agradeci por ter dirigido de tão longe sem nenhum imprevisto pelo caminho e acabei lembrando que saímos da nossa outra casa debaixo de chuva.  Acho que era Virginia chorando com a nossa partida!

Por do sol chegando em San Antonio, TX

Fomos direto para a nossa nova casa que nos esperava coberta de poeira!  E a primeira noite foi com um colchão de ar no meio da sala, pois um dos ar condicionados não estava funcionando direito (desligado talvez?) e o quarto estava uma sauna!  Segundo minha mãe foi super romântico!  NOT!

Primeira noite em San Antonio, TX_Ex corde
O dia seguinte já foi o dia da entrega da mudança!  O cansaço acumulado não ajudou muito no meio do caos, mas aos poucos a gente vai se ajeitando!  Como ainda não temos internet em casa, as notícias vão vir aos poucos. 

Aguardem mais fotos já que só hoje encontramos o carregador da máquina fotográfica, hahaha!  As fotos acima são todas de qualidade duvidosa, pois são de celular.  

Ex corde.

Veja também:

PCS
O Dia da Mudança 
Dia 1: Check ✔
Dias 2 & 3: Check ✔
A entrega da mudança

 

 

Read Full Post »

Tecnicamente o inverno chegou há dois dias, dá para acreditar? 

Os dias que passamos na Europa foram todos acompanhados por temperaturas negativas que faziam os ossos doer.  Como assim o inverno não tinha chegado?  E na volta para casa, eu me deparo com tudo branco, cheio de neve e congelado com temperaturas abaixo de zero também.  No caminho do trabalho para casa eu percebi que um laguinho tinha virado gelo:

Tem certeza de que ainda não era inverno?

Ex corde.

Read Full Post »

É mesmo?

“Dirigir e escrever mensagens de texto no celular é mais perigoso do que dirigir sob a influência de álcool.”

Todos os dias eu ligo a televisão enquanto faço outras coisas para ouvir o jornal e me manter informada.  Hoje, ainda há pouco, ouvi essa notícia.  À princípio não parece verdade, mas se você já tentou escrever uma mensagem de texto ao mesmo tempo que dirige vai perceber que o negócio é complicado.  Como a grande maioria aqui dirige carros automáticos, fica um pouco mais fácil.  Mas ainda assim é meio perigoso.  Ou melhor, mais perigoso até do que beber e dirigir!  Não é à toa que alguns estados estão proibindo isso.  Se um policial perceber que o motorista está tentando tal façanha, multa na certa!   Agora o que torna tudo mais interessante é que cada estado tem suas leis diferentes e por aqui onde eu moro, você sai de um estado e entra em outro sem nem perceber…  Toda atenção é pouca!

 

Ex corde.

 

Read Full Post »

Older Posts »